Serviços

Confira nossos serviços

Somos um fornecedor de verificação técnica, inspeções e avaliações de conformidade, inspirando confiança nos clientes e compradores. Nós garantimos que a qualidade e desempenho do seu Equipamento, Unidade Fabril ou estabelecimento cumpra os requisitos cabíveis, sejam estes normativos e regulatórios, voluntários ou em consideração às especificações de um cliente.

A nossa meta é auxiliar na melhoria da integridade, qualidade e eficiência de equipamentos, assegurar que os empregados tenham condições de trabalho saudáveis e com segurança e, ainda, minimizar o impacto ambiental de atividades industriais.

Os nossos serviços se aplicam a adequar o seu estabelecimento, industrial ou comercial, a legislação vigente do nosso país.

Faça um orçamento agora

A FORTALEZZA oferece inspeções em Caldeiras e Vasos de Pressão de acordo com as normas vigentes.

Inspeções:

  • Inicial
  • Periódica
  • Extraordinária

Serviços:

  • Exame Externo
  • Exame Interno
  • Teste Hidrostático
  • Medição de Espessura por Ultrassom
  • Líquido Penetrante
  • Partícula Magnética
  • Réplica Metalográfica
  • Anotação ou Abertura do Livro de Registro de Segurança
  • Elaboração do Projeto de Instalação
  • Análise do Prontuário do Vaso de Pressão e da Caldeira
  • Cálculo da PMTA
  • Emissão de ART

Confecção da Placa de Identificação.
Oferecemos também manutenção e / ou calibração de Dispositivos de Segurança, bem como:

  • Calibração de Válvula de Segurança / Alívio
  • Calibração de Pressostatos
  • Calibração de Manômetro / Indicador de Pressão
  • Termômetro / Indicador de Temperatura

MANUTENÇÃO EM CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO.
A Fortalezza Engenharia realiza manutenção completa em Caldeiras e Vasos de Pressão:

  • Substituição de pedra cônica
  • Substituição de bucha traseira
  • Substituição / reforma do trapézio
  • Substituição da tubulação e espelhos
  • Serviços de soldagem
  • Reforma em geral
  • Entre outros

ABNT-NBR-5410 e NR-10 do MTE para fins de AVCB

A NR-10 cita no seu item 10.6.1.2 que as operações elementares como ligar e desligar circuitos elétricos, realizadas em baixa tensão, com materiais e equipamentos elétricos em perfeito estado de conservação, adequados para a operação, podem ser realizadas por qualquer pessoa “não advertida”.
A pessoa advertida é a pessoa informada ou com conhecimento suficiente para evitar os perigos da eletricidade.
A norma NR-10 visa à segurança do profissional ao interagir com Eletricidade, logo o Laudo Elétrico deve ser realizado enfatizando a interação do profissional com a Instalação Elétrica, com base nesses fatos relacionamos alguns dos itens que devem ser verificados por ocasião da inspeção técnica:

  •  Diagrama unifilar da instalação e dos quadros.
  • Equipamentos de proteção coletiva e individual.
  • Fiações expostas.
  • Contatos energizados.
  • Sinalização e identificação.
  • Verificação da condição dos dispositivos elétricos.

LAUDO DE INSALUBRIDADE

A FORTALEZZA oferece laudo para caracterização ou a descaracterização da insalubridade, elaborado por Engenheiro de Segurança do Trabalho, nos termos do artigo 195 da CLT.

Como o próprio nome diz, insalubre é algo não salubre, doentio, que pode causar doenças ao trabalhador por conta de sua atividade laboral.

A insalubridade é definida pela legislação em função do tempo de exposição ao agente nocivo, levando em conta ainda o tipo de atividade desenvolvida pelo empregado no curso de sua jornada de trabalho, observados os limites de tolerância, as taxas de metabolismo e respectivos tempos de exposição.

Assim, são consideras insalubres as atividades ou operações que por sua natureza, condições ou métodos de trabalho, expõem o empregado a agentes nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância fixados em razão da natureza, da intensidade do agente e o tempo de exposição aos seus efeitos.

ANEXO N.º 1 LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA RUÍDO CONTÍNUO OU INTERMITENTE

Entende-se por Ruído Contínuo ou Intermitente, para os fins de aplicação de Limites de Tolerância, o ruído que não seja ruído de impacto. 2. Os níveis de ruído contínuo ou intermitente devem ser medidos em decibéis (dB) com instrumento de nível de pressão sonora operando no circuito de compensação “A” e circuito de resposta lenta (SLOW). As leituras devem ser feitas próximas ao ouvido do trabalhador.

ANEXO N.º 2 LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA RUÍDOS DE IMPACTO

Entende-se por ruído de impacto aquele que apresenta picos de energia acústica de duração inferior a 1 (um) segundo, a intervalos superiores a 1 (um) segundo.

ANEXO N.º 3 LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA EXPOSIÇÃO AO CALOR

A exposição ao calor deve ser avaliada através do “Índice de Bulbo Úmido Termômetro de Globo” – IBUTG.

ANEXO N.º 5 RADIAÇÕES IONIZANTES

Nas atividades ou operações onde trabalhadores possam ser expostos a radiações ionizantes, os limites de tolerância, os princípios, as obrigações e controles básicos para a proteção do homem e do seu meio ambiente contra possíveis efeitos indevidos causados pela radiação ionizante, são os constantes da Norma CNEN-NE-3.01: “Diretrizes Básicas de Radioproteção”, de julho de 1988, aprovada, em caráter experimental, pela Resolução CNEN n.º 12/88, ou daquela que venha a substituí-la

ANEXO N.º 6 TRABALHO SOB CONDIÇÕES HIPERBÁRICAS

Trata dos trabalhos sob ar comprimido e dos trabalhos submersos.

ANEXO N.º 7 RADIAÇÕES NÃO-IONIZANTES

Para os efeitos desta norma, são radiações não-ionizantes as microondas, ultravioletas e laser.

ANEXO N.º 8 VIBRAÇÃO

Estabelecer critérios para caracterização da condição de trabalho insalubre decorrente da exposição às Vibrações de Mãos e Braços (VMB) e Vibrações de Corpo Inteiro (VCI).

ANEXO N.º 9 – FRIO:

As atividades ou operações executadas no interior de câmaras frigoríficas, ou em locais que apresentem condições similares, que exponham os trabalhadores ao frio, sem a proteção adequada, serão consideradas insalubres em decorrência de laudo de inspeção realizada no local de trabalho.

ANEXO N.º 10 – UMIDADE 1:

As atividades ou operações executadas em locais alagados ou encharcados, com umidade excessiva, capazes de produzir danos à saúde dos trabalhadores, serão consideradas insalubres em decorrência de laudo de inspeção realizada no local de trabalho

ANEXO N.º 11: AGENTES QUÍMICOS CUJA INSALUBRIDADE É CARACTERIZADA POR LIMITE DE TOLERÂNCIA E INSPEÇÃO NO LOCAL DE TRABALHO

Nas atividades ou operações nas quais os trabalhadores ficam expostos a agentes químicos, a caracterização de insalubridade ocorrerá quando forem ultrapassados os limites de tolerância.

ANEXO N.º 12 – LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA POEIRAS MINERAIS ASBESTO

O presente Anexo aplica-se a todas e quaisquer atividades nas quais os trabalhadores estão expostos ao asbesto no exercício do trabalho.

ANEXO N.º 13: AGENTES QUÍMICOS

Relação das atividades e operações envolvendo agentes químicos, consideradas, insalubres em decorrência de inspeção realizada no local de trabalho. Excluam-se cesta relação as atividades ou operações com os agentes químicos constantes dos Anexos 11 e 12.

ANEXO N.º 14 – AGENTES BIOLÓGICOS

Relação das atividades que envolvem agentes biológicos, cuja insalubridade é caracterizada pela avaliação qualitativa

A FORTALEZZA oferece laudo para caracterização ou a descaracterização da periculosidade, elaborado por Engenheiro de Segurança do Trabalho, nos termos do artigo 195 da CLT.

São consideradas atividades e operações perigosas as constantes dos Anexos da Norma Regulamentadora – NR 16, a saber:

ANEXO 1: ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS COM EXPLOSIVOS

ANEXO 2: ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS COM INFLAMÁVEIS

ANEXO 3: ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS COM EXPOSIÇÃO A ROUBOS OU OUTRAS ESPÉCIES DE VIOLÊNCIA FÍSICA NAS ATIVIDADES PROFISSI NAIS DE SEGURANÇA PESSOAL OU PATRIMONIAL

ANEXO 4: ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS COM ENERGIA ELÉTRICA

ANEXO 5: ATIVIDADES PERIGOSAS EM MOTOCICLETA

Laudo de Moto Gerador ou Atestado de Abrangência do Grupo Motogerador para fins de AVCB

É exigido pelo CBPMESP-Corpo de Bombeiros da Policia Militar do Estado de São Paulo, tem como objetivo atestar a conformidade do grupo gerador quanto ao atendimento às condições de instalações conforme ABNT NBR-10.898 de Setembro de 1999, além do atendimento à condições operativas, sistemas atendidos, do sistema de alimentação de emergência.

O item 10.2.4 da NR-10 estabelece que todos os estabelecimentos com carga superior a 75KW devem constituir e manter o Prontuário de Instalações Elétricas, contendo:

  • Diagrama unifilar atualizado.
  •  Laudo de Para-Raios e aterramento.
  •  Laudo das instalações elétricas.
  •  Relação dos equipamentos de proteção, EPC e EPI.
  •  Laudo de classificação de área.
  •  Especificação de ferramental.
  •  Documentação dos profissionais qualificados, habilitados, capacitados e
    autorizados.
  •  Projetos Elétricos.
  •  Outros documentos tais como relatório de manutenção da cabine de alta Tensão, manutenção dos transformadores, laudo termográfico, entre outros.

Calibração de Dispositivos de Segurança, conforme NR13, tais como:

  • Calibração de Válvula de Segurança / Alívio
  • Calibração de Pressostatos
  • Calibração de Manômetro / Indicador de Pressão
  • Termômetro / Indicador de Temperatura

APR – Análise Preliminar de Risco

Consiste em um estudo antecipado e detalhado de todas as fases do trabalho a fim de detectar os possíveis problemas que poderão acontecer durante a execução.

Depois de detectado os possíveis acidentes e problemas, devem ser adotados medidas de controle e neutralização, essas medidas devem envolver toda equipe, criando um clima de trabalho seguro em conjunto.

Diagrama Unifilar

O item 10.2.3 da NR-10 estabelece que todas as empresas estão obrigadas a manter esquemas unifilares atualizados das instalações elétricas dos seus estabelecimentos com as especificações do sistema de aterramento e demais equipamentos e dispositivos de proteção.

Deve-se manter uma cópia atualizada do diagrama na cabine de alta tensão e

nos quadros de distribuição de luz e força.

MANUTENÇÃO EM CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO

A Fortalezza Engenharia realiza manutenção completa em Caldeiras e Vasos de Pressão:

  •  Substituição de pedra cônica
  • Substituição de bucha traseira
  • Substituição / reforma do trapézio
  •  Substituição da tubulação e espelhos
  •  Serviços de soldagem
  •  Calibração de Válvula de Segurança / Alívio
  •  Calibração de Pressostatos
  •  Calibração de Manômetro / Indicador de Pressão
  •  Termômetro/ Indicador de TemperaturaReforma em geral
  •  Entre outros

NR 01 – DISPOSIÇÕES GERAIS / OS – Ordem de Serviço

A Ordem de Serviço é um instrumento de extrema na importância em toda gestão de Segurança do Trabalho na empresa.
O documento serve para conscientizar o trabalhador dos riscos do ambiente de trabalho, como também para mostrar as medidas adotadas pela empresa em favor da  segurança do trabalhador.

É muito importante também pelo fator “documentação”, nela o funcionário se compromete a trabalhar de forma segura.

Perfil Profissiográfico Previdenciário – PPP

O Perfil Profissiográfico Previdenciário-PPP constitui-se em um documento histórico laboral do trabalhador que reúne, entre outras informações, dados administrativos, registros ambientais e resultados de monitoração biológica, durante todo o período em que este exerceu suas atividades na respectiva empresa.

Tendo sua elaboração obrigatória a partir de 01.01.2004 (data fixada pela IN INSS/DC 96/2003) o PPP tem por objetivo primordial fornecer informações para o trabalhador quanto às condições ambientais de trabalho, principalmente no requerimento de aposentadoria especial.

O PPP tem como finalidade:

  • Comprovar as condições para habilitação de benefícios e serviços previdenciários, em particular, o benefício de aposentadoria especial;
  • Prover o trabalhador de meios de prova produzidos pelo empregador perante a Previdência Social, a outros órgãos públicos e aos sindicatos, de forma a garantir todo direito decorrente da relação de trabalho, seja ele individual, ou difuso e coletivo;
  • Prover a empresa de meios de prova produzidos em tempo real, de modo a organizar e a individualizar as informações contidas em seus diversos setores ao longo dos anos, possibilitando que a empresa evite ações judiciais indevidas relativas a seus trabalhadores;
  • Possibilitar aos administradores públicos e privados acesso a bases de informações fidedignas, como fonte primária de informação estatística, para desenvolvimento de vigilância sanitária e epidemiológica, bem como definição de políticas em saúde coletiva.

Criado para substituir os antigos formulários denominados SB 40, DISES BE 5235, DSS 8030 e DIRBEN 8030, os quais sempre foram de preenchimento obrigatório apenas para aqueles trabalhadores que laboram expostos a agentes nocivos à sua saúde, sua exigência legal se encontra no artigo 58 da Lei 8.213/91.

Anteriormente somente os trabalhadores que tinham direito a se aposentar precocemente, com a chamada aposentadoria especial, recebiam os formulários substituídos pelo PPP.

Em decorrência da IN INSS 118/2005, a partir de 1º de janeiro de 2004, a empresa ou equiparada à empresa ficou obrigada a elaborar o PPP, conforme anexo XV da referida Instrução, de forma individualizada para seus empregados, trabalhadores avulsos e cooperados. Atualmente, a Instrução Normativa INSS 45/2010 é que estabelece as instruções de preenchimento e o modelo do formulário do PPP.

A exigência abrange aqueles que laborem expostos a agentes nocivos químicos, físicos, biológicos ou associação de agentes prejudiciais à saúde ou à integridade física, considerados para fins de concessão de aposentadoria especial, ainda que não presentes os requisitos para a concessão desse benefício, seja pela eficácia dos equipamentos de proteção, coletivos ou individuais, seja por não se caracterizar a permanência.

MICROEMPRESAS

Observe-se também que as Micro Empresas e as Empresas de Pequeno Porte não estão dispensadas da emissão do PPP.

RESPONSABILIDADE

A responsabilidade pela emissão do PPP é:

  • Da empresa empregadora, no caso de empregado;
  • Cooperativa de trabalho ou de produção, no caso de cooperados filiados,
  • Órgão Gestor de Mão de Obra – OGMO, no caso dos Trabalhadores Portuários Avulsos – TPA; e
  • Sindicato de Categoria, no caso de trabalhador avulso não portuário.

O PPP deve ser preenchido, atualizado e entregue ao trabalhador no momento da rescisão somente em relação àqueles empregados que durante o contrato de trabalho estejam em contato com agentes nocivos à saúde, sob pena de multa mínima, de acordo com a Portaria Interministerial MPS/MF 15/2013 (válida a partir de janeiro/2013), de R$ 1.717,38 (mil setecentos e dezessete reais e trinta e oito centavos).

O PPP deverá ser emitido com base nas demonstrações ambientais, exigindo, como base de dados:

a) Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – PPRA;

b) Programa de Gerenciamento de Riscos – PGR;

c) Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção – PCMAT;

d) Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO;

e) Laudo Técnico de Condições Ambientais do Trabalho – LTCAT;

f) Comunicação de Acidente do Trabalho – CAT.

A atualização do Perfil Profissiográfico Previdenciário deve ser feita sempre que houver alteração que implique mudança das informações contidas nas suas seções ou pelo menos uma vez ao ano, quando permanecerem inalteradas suas informações.

 

 

PT – Permissão de Trabalho é um documento utilizado em trabalhos de risco elevado, tais como:

  •  Trabalho em Altura;
  •  Espaço Confinado;
  •  Abertura de Linha;
  •  Trabalho a Quente;
  •  Travamento de Fonte de Energia.

É um formulário usado para controlar o acesso ao trabalho em áreas de risco elevado por período pré-determinado pela empresa.
Portanto é uma ferramenta de avaliação, documentação e permissão de exposição à possíveis riscos causadores de acidentes de trabalho e doenças ocupacionais.
Uma das fases da PT Permissão de Trabalho é a APR – Análise Preliminar de Risco.

PCMSO+ASO NR 7 – PCMSO e NR 9 – PPRA

A Sétima Norma Regulamentadora NR 7 – PCMSO) do Ministério do Trabalho e Emprego, cujo título é Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional – PCMSO, estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação do PCMSO por parte dos empregadores e instituições que admitam trabalhadores como empregados, com o objetivo de monitorar, individualmente, aqueles trabalhadores expostos aos agentes químicos, físicos e biológicos definidos pela NR 09 – PPRA.

O PCMSO é arte integrante do conjunto mais amplo da saúde dos trabalhadores, devendo estar articulado com as exigências das demais normas regulamentadoras, considerando as questões incidentes sobre o homem, como ênfase no instrumental clínico epidemiológico, na abordagem da relação entre sua saúde e o trabalho, que deverá ter prioridade na prevenção, rastreamento e diagnóstico preventivo dos aspectos de saúde relacionados ao trabalho, inclusive de natureza subclínica, além da constatação da existência de doenças ocupacionais.

Destacam-se a estreita relação entre a NR – 7 (PCMSO) com a NR – 9 (PPRA) ambas aprovadas pela portaria 24, de 29/12/1994.

A contratante realizará exames ocupacionais de acordo com o que estabelece a NR – 07:

  • Admissional
  • Periódico
  • Demissional
  • Retorno ao Trabalho
  • Mudança de Função

Os referidos exames serão realizados na sede da contratada ou em clínicas conveniadas. No ato da realização do exame será emitido o Atestado de Saúde Ocupacional – ASO, em duas vias, e o prontuário clínico, que ficará arquivado em poder da contratada por um período de 20 anos.

Outro dado importante é sobre os exames complementares de Empresas do ramo alimentício e saúde, a ANVISA exige que todos os trabalhadores que trabalhem ou manipulem alimentos, medicamentos em geral, façam os exames abaixo identificados.

  • Protoparasitológico de fezes
  • Coprocultura de Fezes
  • Hemograma Completo.

PPRA NR 09 – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

Não importa a quantidade de colaboradores, toda empresa necessita do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais.

O PPRA avalia os riscos ambientais existentes no trabalho, o programa visa acima de tudo minimizar as doenças ocupacionais e acidentes de trabalho dentro da empresa.

Laudo de Ruído NR 15 e NBR 10151

O objetivo deste, é analisar e quantificar o nível de pressão sonora no ambiente de trabalho havendo ou não relações, objetivando determinar medidas de controle atenuando assim o ruído.

Validade das Inspeções: ANUAL exceto se ocorrer quaisquer das seguintes situações:

a) mudança nos procedimentos, finalidades, condições ou operações de trabalho;
b) evento que indique a necessidade de nova Inspeção;
d) mudança de empresa;
e) troca de máquina ou equipamento.

Será emitido Laudo Técnico por Profissionais Legalmente Habilitados Perito e Engenheiro de Segurança do Trabalho com ART;

Os Equipamentos utilizados possuem Atestado de Aferição vigente e demais equipamentos são analógicos.

Laudo de Iluminância em conformidade com NBR 5461

Laudo de Iluminância tem por objetivo atender a Norma Regulamentadora do Ministério do Trabalho e Emprego no que diz respeito à Ergonomia, conforme o item NR-17.5.3.3 da Portaria n° 3.751 como segue:

“Os níveis de iluminamento a serem observados nos locais de trabalho são os valores de iluminâncias estabelecidas na NBR 5461, norma brasileira registrada no INMETRO”.

Laudo de Reformas NBR 16280

O objetivo do Laudo de Reformas é assegurar que a reforma não afetará a segurança e a integridade estrutural do imóvel, seguindo para isso as diretrizes e processos estipulados pela norma NBR 16280 fazendo com que desta forma façamos por onde proporcionar conforto e tranquilidade para todos no ambiente.

Avaliação Ergonômica de Trabalho – AET – NR-17

O objetivo da Avaliação Ergonômica de Trabalho é investigar as condições de trabalho dos setores produtivos e administrativos da empresa, objetivando fornecer assistência, se necessário, para a implantação de mudanças na organização e métodos de trabalho na empresa.

LTCAT – Laudo Técnico das Condições Ambientais do Trabalho

É um documento muito importante pois seu conteúdo apresenta as reais condições de exposição do trabalhador a determinados agentes durante o período de trabalho.

O LTCAT se faz obrigatório para as empresas que expõe o trabalhador a quaisquer agentes nocivos à saúde, desta forma torna-se possível comprovar a autorização ao direito à aposentadoria especial.

PCMAT – Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção – NR 18

PCMAT – Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção, é um relatório com o objetivo de gerenciar os riscos existentes no ambiente de trabalho especificadamente da área da construção civil.

Tem como objetivo determinar ações preventivas e também corretivas garantindo a saúde e integridade física dos colaboradores, assim como medidas administrativas para operação de maquinas e equipamentos de forma segura.

Este documento deve considerar as exigências contidas na NR 09 – PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais.

Consultoria eSocial, Segurança e Saúde do Trabalho

Pensando sempre em soluções que auxiliem nossos clientes na gestão das questões ligadas a Saúde e Segurança oferecemos uma consultoria em Segurança e Saúde do Trabalho ( SST) focada no E-Social.

Desta forma estamos aptos para auxiliar nossos clientes em todas as fases de adequações necessárias para atender a todas as exigências do E-Social, facilitando a implantação com uma consultoria pontual as necessidades de cada empresa.